Quais os cuidados que os Agentes Comunitários de Saúde podem orientar aos pais de crianças com refluxo gastresofágico?

Para evitar ou diminuir o refluxo gastresofágico é importante seguir algumas recomendações.
Medidas Gerais:
Recomenda-se manter a criança em posição vertical após a alimentação (em pé no colo);
Evitar pressionar o abdome na troca de fraldas ou ao abraçar o bebê;
Evitar o uso de roupas apertadas;
Evitar balançar a criança após a alimentação (por ex.; trocar a fralda antes das mamadas);
Manejo Dietético:
Recomenda-se alimentar a criança com volumes menores e com mais frequência. (Grau C)
Trocar uma fórmula láctea por outra não reduz episódios de refluxo;
Se a criança é alérgica a proteína do leite de vaca, a substituição desta proteína por outra reduz os vômitos em 24 horas. (Grau C)
O espessamento da fórmula láctea (deixá-la mais grossa) não reduz os parâmetros do refluxo gastresofágico, mas reduz os episódios de vômitos. (Grau A)
Não se recomenda interromper o aleitamento materno e substituí-lo por fórmulas lácteas espessas.
Quando amamentada ao peito deve-se ter alguns cuidados ao amamentar:

  • Apoiar o bebê nos braços com a cabeça e o tronco alinhados entre si, numa posição onde o abdome materno toca o abdome do bebê (posição ‘barriga-barriga’).
  • Tocar o seio com o queixo do bebê para liberar as narinas para respirar.
  • Abrir bem a boca da criança para que possa abocanhar boa parte da mama, não permitindo que a criança fique apenas sugando o mamilo.
  • Observar se nesse abocanhamento a aréola está mais visível acima da boca do queixo do bebê.
  • Verificar se, quando a criança suga, o lábio inferior está voltado para fora. Com estes cuidados consegue-se diminuir a quantidade de ar ingerida pela criança.
  • Caso seja necessária a utilização de mamadeiras (SEMPRE após orientação médica, nutricional ou da enfermagem), oferecê-la ao bebê de forma elevada, com o bico sempre preenchido pelo leite para impedir que a criança engula muito ar.
  • Para crianças maiores de um ano não usar líquidos junto com as refeições (aproximadamente 1 hora após).
  • Usar alimentos de consistência mais sólida ou pastosa, de preferência, frios.
  • Em crianças maiores, evitar: Chá preto, mate, café, chocolate, refrigerantes sabor cola, alimentos ácidos, gordurosos e condimentados.

Posicionamento da Criança: Deve-se elevar a cabeceira do leito em 30 graus e manter a criança de barriga para cima (apesar de existir posições em que o refluxo pode melhorar ainda mais, esta é a única que não aumenta o risco de morte súbita).
O número elevado de crianças com episódios frequentes de regurgitação nos dois primeiros trimestres de vida pode ser uma consequência do desmame precoce e da introdução da alimentação artificial, uma vez que o volume oferecido é imposto pelo cuidador, e não necessariamente controlado pela criança por estes motivos cada vez mais devemos incentivar o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade.

Bibliografia Selecionada

  1. Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.
  2. Rudolph CD, Mazur LJ, Liptak GS, Baker RD, Boyle JT, Colletti RB, Gerson WT, Werlin SL; North American Society for Pediatric Gastroenterology and Nutrition. Guidelines for evaluation and treatment of gastroesophageal reflux in infants and children: recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology and Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2001;32 Suppl2:S1-31.