É necessário mensurar os níveis de vitamina D na população?

Atualmente, nenhuma organização nacional de profissionais de atenção primária recomenda o rastreamento da população para a deficiência de vitamina D, pois não há evidencias de benefício desse rastreamento. A avaliação dos níveis de vitamina D é recomendada na suspeita de deficiência, em indivíduos pertencentes a populações de risco ou naqueles para cuja situação clínica seja relevante. Também não há um padrão de referência nem um consenso sobre os valores laboratoriais que definem a deficiência de vitamina D. 1,2

Os candidatos à mensuração seriam: pacientes com quadro de raquitismo ou osteomalácia, portadores de osteoporose, idosos com história de quedas e fraturas, obesos, grávidas e lactentes, pacientes com síndromes de má-absorção (fibrose cística, doença inflamatória intestinal, doença de Crohn, cirurgia bariátrica), insuficiência renal ou hepática, hiperparatiroidismo, medicações que interfiram no metabolismo da vitamina D (anticonvulsivantes, glicocorticoides, antifúngicos, antirretrovirais, colestiramina, orlistat), doenças granulomatosas e linfomas. Importante também mensurar nos casos suspeitos de intoxicação por vitamina D, naqueles que tenham condições de limite a exposição solar, paciente em fotoproteção e usuários de vestimenta religiosa. 3