Quais os riscos do uso prolongado dos benzodiazepínicos?

O uso prolongado dos benzodiazepínicos (BZD), ultrapassando períodos de 4 a 6 semanas1, pode levar dependência, tolerância2,3 e síndrome de abstinência1. No entanto, antes de se considerar a dependência e tolerância, pura e simples, recomenda-se verificar se o BDZ não está sendo utilizado como paliativo de uma situação emocional não resolvida1.
Os efeitos adversos comuns no uso prolongado são os déficits cognitivos (perda de atenção e dificuldade de fixação)1, fraqueza, náuseas, vômitos, dores abdominais, diarreia, dores articulares e torácicas, incontinência urinária, desequilíbrio, pesadelos, taquicardia, alucinações, hostilidade e alteração do comportamento, que tendem a se instalar no curso da utilização desses medicamentos. Observa-se overdose de BZD, entre as tentativas de suicídio, associados ou não a outras substâncias. Há risco aumentado de quedas, problemas respiratório em idosos e dependência em pessoas que tomam vários medicamentos concomitantemente (poliusuários de medicamentos), doenças psiquiátricas e mulheres idosas1. Quando presentes tais efeitos, o medicamento deve ser suspenso4.
Os efeitos adversos dos BDZ têm sido amplamente documentados e sua eficácia está sendo cada vez mais questionada2. Vale a pena esgotar todas as opções terapêuticas tais como: medicamentos antidepressivos1 e práticas integrativas e complementares – terapia cognitiva-comportamental, psicodinâmica5, meditação, práticas corporais, práticas manuais, /balneoterapia6, acupuntura7, fitoterápicos9 e yoga10, resguardando ao máximo o uso dos BDZ1. (nível de evidência B)
A prevenção do uso prolongado, a motivação para a retirada e a inserção de outras práticas de apoio ao usuário são medidas necessárias para evitar uso e prescrição inadequada de longo prazo dos BDZ2. A retirada desta medicação é geralmente benéfica, uma vez que é seguida por melhora psicomotora e o funcionamento cognitivo, particularmente nos idosos. Recomenda-se realizar um processo gradual em até 6 meses, caso contrário, pode tornar-se difícil ao usuário. Esse processo de retirada é viável e benéfico na atenção primária2.

Espera-se das equipes da Estratégia da Saúde da Família (ESF), como primeiro contato, estratégias que proporcionem espaço de orientação, sensibilização, discussão de casos para analisar o componente subjetivo e singularidades associado às queixas e necessidades dos usuários acompanhados tanto por especialista da saúde mental quanto por médico da saúde da família (coordenação do cuidado). A inserção das práticas integrativas e complementares em saúde pode contribuir para o cuidado integral e promoção da saúde, especialmente do autocuidado11,12.