Quais orientações sobre a Febre Amarela os profissionais de saúde podem repassar às comunidades sem indicação para vacinação?

A principal orientação do Ministério da Saúde para os municípios que não têm indicação de vacinar contra febre amarela, é o combate ao mosquito Aedes aegypti, que é o principal vetor de transmissão do vírus da febre amarela tanto na América do Sul como na África. (1,2)
Outra orientação importante para a prevenção é a vacinação dos viajantes que se deslocam para regiões silvestres, rurais ou de mata de áreas com recomendação de vacinar (ACRV). A imunização contra febre amarela deve ser feita no mínimo 10 dias antes da exposição a situações de risco, já que os anticorpos protetores aparecem entre o sétimo e décimo dia após a aplicação. (3,4) A vacina contra a febre amarela está disponível, gratuitamente nas Unidades Básica de Saúde em todos os municípios do Brasil. (5)

A principal estratégia de prevenção da reurbanização da febre amarela é a eliminação do Ae. aegypti que deve seguir as orientações do Programa Nacional de Controle da Dengue. (3) A luta contra o Ae. aegypti compreende medidas institucionais e comportamentais. Cabe ao poder público oferecer abastecimento adequado de água e coleta regular do lixo; estabelecer legislação sanitária municipal para abrigo de pneus usados e de material dos depósitos de ferro-velho expostos à chuva e fiscalizar seu cumprimento; exigir areia nos vasos dos cemitérios; limpar terrenos baldios; e aplicar larvicidas nos depósitos não elimináveis de água. Entre as medidas comportamentais, há necessidade de educação sanitária intensa para que a população elimine os criadouros preferenciais do mosquito, como manter cobertura de caixas-d’água, limpar quintais, drenar corretamente as calhas de água dos telhados, evitar deixar expostos recipientes que possam acumular água e trocar frequentemente a água de pratos e de vasos de flores. (1) Outras medidas preventivas contra Febre Amarela: (3,6) • Induzir a manutenção de altas taxas de cobertura vacinal em áreas infestadas por Ae. aegypti e com recomendação de vacina contra febre amarela; • Orientar o uso de proteção individual das pessoas que vivem ou adentram áreas enzoóticas ou epizoóticas; • Isolar os casos suspeitos durante o período de viremia, em áreas infestadas pelo Ae. aegypti; • Realizar identificação oportuna de casos para pronta intervenção da vigilância epidemiológica; • Implementar a vigilância laboratorial das enfermidades que fazem diagnóstico diferencial com febre amarela; • Implementar a vigilância sanitária de portos, aeroportos e fronteiras: recomenda-se solicitar apresentação do certificado internacional de vacinação, com menos de dez anos da última dose aplicada para viajantes procedentes de países ou áreas endêmicas de febre amarela. Atributos APS O desenvolvimento das práticas educativas no SUS tem por base as ações de comunicação, imprescindíveis para fomentar os processos de mobilização. O objetivo dessas ações é a adesão das pessoas e da sociedade organizada, de maneira consciente e voluntária, para o enfrentamento de determinado problema. Tais ações podem estimular a mobilização, a partir de organizações sociais já existentes, e a criação de grupos ou associações que trabalhem em ações de prevenção e controle. (7)   SOF relacionadas:
  1. A vacina contra febre amarela pode ser administrada juntamente com outras vacinas?
  2. Quais são as contraindicações para realizar vacina contra febre amarela?
  3. Quanto tempo após o parto as puérperas podem ser vacinadas contra a febre amarela?
  4. Existe contraindicação para a vacinação contra a febre amarela em pessoas acima de 60 anos?
  5. O que mudou na vacinação contra febre amarela?