Quais são as principais causas de luxação da ATM?

As causas da luxação da articulação temporomandibular (ATM) podem ser espontâneas ou traumáticas, como por exemplo, abertura máxima de boca excessiva, durante a entubação orofaríngea, ou mesmo durante procedimentos dentários que impliquem que o paciente permaneça bastante tempo com a boca aberta. Apesar de ser uma patologia pouco comum, a luxação recidivante da ATM é mais frequente em pacientes que apresentem laxidez ligamentar e da cápsula articular, e uma eminência articular plana com sinais de erosão. O trauma também é reconhecido como um fator etiológico da luxação da ATM. Diferentes fatores etiológicos têm sido sugeridos como prováveis causas das luxações recorrentes, são eles: condições anatómicas, hábitos parafuncionais, laxidez ligamentar e hipermobilidade articular generalizada.(1)

A luxação recorrente da ATM está associada, geralmente, à hipermobilidade da mandíbula e a uma eminência articular proeminente(1,2). O paciente com hipermobilidade da mandíbula e luxação recidivante da ATM entra num ciclo vicioso, uma vez que, sempre que ocorre a luxação, há mais rotura e estiramento do ligamento capsular, o que resulta no agravamento da condição e conduz a mais episódios de recorrência(1,2). É importante salientar que os músculos submetidos a um processo de estiramento, quando inativos retornam ao seu tamanho original. No entanto, o mesmo não se verifica nos ligamentos, que quando sofrem estiramento mantém o seu comprimento aumentado, não limitando, dessa forma, os movimentos mandibulares(2). Existem ainda outros fatores predisponentes como: desordens do complexo côndilodisco, distúrbios oclusais como dimensão vertical diminuída, trauma e alterações decorrentes de patologias sistémicas como artrite reumatoide, epilepsia, doença de Parkinson ou ainda reações extrapiramidais, por exemplo, induzida por neurolépticos, ou pelo uso de anti-eméticos ou fenotiazinas(3).