Quais os tratamentos disponíveis para candidíase vulvovaginal recorrente?

A candidíase vulvovaginal recorrente é definida por mais de quatro episódios de infecção no ano. O seu tratamento envolve a utilização inicial de azóis tópicos ou orais por 10 a 14 dias seguida de terapia supressiva com fluconazol oral na dose de 150 mg por semana, por 06 semanas.
Outra opção de terapia supressiva é o itraconazol na dose de 400 mg por um dia , 01 vez ao mês por 06 meses.
Ensaio clinico randomizado encontrou que a profilaxia regular com itraconazol oral reduziu a taxa de recorrência sintomática da candidíase vulvovaginal em seis meses comparado com o placebo.

Bibliografia Selecionada

  1. British Medical Journal (org). Evidencia clínica: consiso. Tradução: Ane Rose Bolner. Porto Alegre: Artmed; 2005.