Qual a forma de diluição do leite de vaca para crianças menores de 6 meses de idade já desmamadas?

De acordo com especialistas focais (Grau D de recomendação) não devem ser utilizados leite de vaca integral, líquido ou em pó, na alimentação durante o 1º ano de vida, nem mesmo em suas preparações diluídas.
Se uma criança, por qualquer motivo, estiver impossibilitada de receber leite materno, deve ser alimentada preferencialmente com leite artificial nesses casos, as fórmulas lácteas (leites modificados) são a primeira opção. Além das fórmulas, as outras opções são o leite integral em pó e o leite integral líquido, pasteurizado (‘de saquinho’) ou longa vida (UHT).
Na ausência das opções acima citadas, os especialistas indicam que durante o primeiro mês o leite de vaca seja diluído ao meio (metade água e metade leite). Devendo-se adicionar 1 colher de café de açúcar, pois com a diluição a densidade calórica cai bastante. Iniciar com 50 ml a cada 2 horas e aumentar gradativamente, conforme aceitação.
No segundo e no terceiro mês de vida orienta-se a diluição a 2/3 (duas partes de leite de vaca para uma de água). Coloca-se 2 partes de leite para 1 de água, com pouco açúcar e pouca farinha (amido de milho, aveia, farinha de arroz, fubá etc). Essa diluição é importante para reduzir a concentração de proteínas, que podem sobrecarregar o rim do bebê, e de sais minerais, que podem desidratá-lo. Além disso, a diluição facilita a digestão. Em contato com o Ácido Clorídrico do estômago, o leite coagula. O precipitado, ou coalho, contém a maior parte da Caseína e do Cálcio, enquanto a parte líquida, ou soro, contém a proteína do soro e quase toda a Lactose. O leite humano, por possuir pequena quantidade de Caseína, forma coalhos moles e floculosos. O leite de vaca fresco, não modificado, pelo maior conteúdo de Caseína, produz coalhos maiores, duros, de consistência de borracha, com grande resistência à agitação. A diluição do leite de vaca produz diminuição do volume e da resistência dos coalhos, aumentando a digestibilidade pelo lactente. Deve-se também, orientar a introdução de forma gradual dos sucos de fruta.
No quarto e no quinto mês de vida a orientação é de manter a diluição a 2/3 para o leite de vaca e introduzir frutas raspadas ou amassadas. A seguir, introduzir a primeira papa de legumes no almoço.
A partir do 6º mês, o leite deve ser dado sem a diluição, mantendo-se o açúcar e a farinha. Orientar a introdução de papa de sal no jantar.
Ressalta-se que quando a alimentação é feita exclusivamente pelo aleitamento materno, a introdução do alimento sólido não é necessária antes dos 6 meses. Quando ela é parcial ou totalmente substituída pelo leite de vaca deve-se introduzir a “papinha” (salgada ou frutas) por volta do 4º ou 5º mês, para garantir aporte de vitaminas e sais minerais, como o Ferro

 

 

 

Bibliografia Selecionada

  1. Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ER. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.
  2. Giugliani ERJ, Victora CG.Normas alimentares para crianças brasileiras menores de dois anos: embasamento científico. Brasília: Organização Mundial da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde; 1997. Disponível em: http://www.opas.org.br/sistema/arquivos/bases.pdf