Qual a importância do exercício físico para os diabéticos?

A prática regular de exercício físico por portadores de diabetes demonstrou, em diversos estudos, melhorar o controle glicêmico, reduzir os fatores de risco cardiovascular, contribuir para a perda de peso e aumentar o bem estar.
Em pessoas com diabetes tipo 1, o exercício físico tem um efeito benéfico inclusive sobre a expectativa de vida. Além disso, pode prevenir o diabetes tipo 2 em pessoas com alto risco para essa doença.
Intervenções baseadas em sessões estruturadas de exercício de pelo menos 8 semanas de duração demonstraram diminuir os níveis de hemoglobina glicosilada de diabéticos tipo 2 em 0,66% em média, mesmo sem mudança significativa no IMC. Exercícios mais intensos são associados a melhores resultados no controle do diabetes e no condicionamento físico. GRAU A.
A Associação Americana de Diabetes (ADA) recomenda que pessoas com diabetes devam ser aconselhadas a praticar pelo menos 150 minutos por semana de atividade física aeróbica de moderada intensidade (entre 50 e 70% da frequência cardíaca máxima). Na ausência de contraindicação, as pessoas com diabetes tipo 2 devem ser encorajadas a realizar treinamento de resistência 3 vezes por semana.

 

SOF relacionadas:
  1. Como ocorre o desenvolvimento de diabetes tipo 1 e 2 no organismo humano?
  2. Quais são as causas do diabetes? Que tipos de tratamentos existem? E como prevenir?
  3. Quais orientações nutricionais podem ser dadas pelos Agentes Comunitários de Saúde aos pacientes diabéticos?
  4. Como deve ser o seguimento dos pacientes diabéticos pela Equipe de Saúde da Família?
  5. Como fazer o diagnóstico de pré-diabetes? E como abordar essa condição?

Bibliografia Selecionada

  1. American Diabetes Association. Standards of medical care in diabetes–2009. Diabetes Care. 2009 Jan;32 Suppl 1:S13-61. Disponível em: http://care.diabetesjournals.org/content/32/Supplement_1/S13.full.pdf+html Acesso em: 29 outubro de 2009.
  2. Stein R, Ribeiro JP. Atividade física e saúde. In: Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3a ed. Porto Alegre: ArtMed; 2004. p. 508-15.