Qual a melhor conduta frente a achados de calcificações arteriais em exames de Raio-X?

Existem diversas possibilidades de se encontrar calcificações arteriais em exames de rotina ou para outros fins. Em pacientes assintomáticos deve-se investir fortemente no tratamento dos fatores de risco, medida que de todas as ações possíveis para este caso é a que comprovadamente mais reduz eventos cardiovasculares, mortalidade por eventos cardiovasculares e mortalidade geral.
Em pacientes nefropatas em hemodiálise e em uso de fármacos a base de cálcio essas calcificações são esperadas e já existem alguns fármacos que comprovadamente reduzem as calcificações, mas ainda não há estudos que evidenciem redução de eventos cardiovasculares e/ou de mortalidade. A decisão de início destes novos fármacos é melhor realizada nos centros de hemodiálise.
Pacientes com calcificações coronarianas e com sintomas de cardiopatia isquêmica devem ser tratados seguindo os passos do tratamento desta última doença. Da mesma forma, pacientes com calcificações em MMII e com sintomatologia de doença arterial periférica devem ser tratados conforme a gravidade dos sinais e sintomas clínicos que apresentam.
A decisão de encaminhamento para especialista focal em cirurgia vascular ou cardiologia (no caso de calcificações coronárias), presta-se mais nos casos de pacientes sintomáticos de difícil controle com tratamento clínico ou suspeita de aneurisma.

Bibliografia Selecionada

  1. Arai Y, Hirose N, Yamamura K, Kimura M, Murayama A, Fujii I, Tsushima M. Long-term effect of lipid-lowering therapy on atherosclerosis of abdominal aorta in patients with hypercholesterolemia: noninvasive evaluation by a new image analysis program. Angiology. 2002 Jan-Feb;53(1):57-68.
  2. Yan LL, Liu K, Daviglus ML, Colangelo LA, Kiefe CI, Sidney S, Matthews KA, Greenland P. Education, 15-year risk factor progression, and coronary artery calcium in young adulthood and early middle age: the Coronary Artery Risk Development in Young Adults study. JAMA. 2006 Apr 19;295(15):1793-800. Disponível em: http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=202705. Acesso em: 25 maio 2015
  3. Lee CD, Jacobs DR Jr, Schreiner PJ, Iribarren C, Hankinson A. Abdominal obesity and coronary artery calcification in young adults: the Coronary Artery Risk Development in Young Adults (CARDIA) Study. Am J Clin Nutr. 2007 Jul;86(1):48-54. Disponível em: http://ajcn.nutrition.org/content/86/1/48.full.pdf+html. Acesso em: 25 maio 2015
  4. Sutton PR, Fihn SD. Chronic Stable Angina. In: Dale DC, Federman DD, editors. ACP Medicine. Philadelphia, PA: BC Decker; 2007: chap 23.
  5. Otto MC, Shavelle DM. Approach to the Cardiovascular Patient. In: Dale DC, Federman DD, editors. ACP Medicine. Philadelphia, PA: BC Decker; 2007: chap 17.
  6. Creager MA. Peripheral Arterial Disease. In: Dale DC, Federman DD, editors. ACP Medicine. Philadelphia, PA: BC Decker; 2007: chap 31.
  7. Hall YN, Chertow GM. End stage renal disease. Clin Evid (Online). 2007 Oct 17;2007.