Qual a relação entre HPV e câncer do colo do útero?

Dentre os canceres mais comuns causados pelo HPV, está o câncer de colo do útero. Esse câncer é caracterizado pelo crescimento anormal de células do colo do útero, que é a parte inferior do útero que fica em contato com a vagina. Após o contagio com o HPV, se o sistema imunológico não consegue combater o vírus, ocorre o desenvolvimento dessas células anormais. Se não for diagnosticado e tratado rapidamente, as células anormais podem evoluir de uma lesão pré-câncer para um câncer. Isto pode demorar anos e apresenta sintomas tais como sangramento vaginal, corrimento e dor(1).

Embora a infecção pelo HPV seja muito frequente, esta é transitória, com regressão espontânea na maioria dos casos. Contudo, um pequeno número de casos nos quais a infecção persiste é especialmente causada por um tipo viral oncogênico, com potencial para causar câncer. Este tipo de vírus pode desenvolver lesões precursoras que, se não forem identificadas e tratadas, podem progredir para o câncer, principalmente no colo do útero, mas também na vagina, vulva, ânus, pênis, orofaringe e boca (1,2).

Existe pelo menos 13 tipos de HPV que são considerados oncogênicos com maior probabilidade de estarem associados a lesões precursoras. Dentre os HPV de alto risco oncogênico, os tipos 16 e 18 estão presentes em 70% dos casos de câncer do colo de útero(1). Já os HPV 6 e 11, encontrados em 90% dos condilomas genitais e papilomas laríngeos, são considerados não oncogênicos(2). Aproximadamente 291 milhões de mulheres no mundo são portadoras do HPV, sendo que 32% estão infectadas pelo tipo 16 ou 18, ou por ambos. Comparando-se esse dado com a incidência anual de aproximadamente 500 mil casos de câncer do colo de útero, conclui-se que o câncer é um desfecho raro, mesmo na presença da infecção pelo HPV. Portanto, a infecção pelo HPV é um fator necessário, mas não suficiente, para o desenvolvimento do câncer do colo de útero(1,2). Há cofatores que aumentam o potencial de desenvolvimento do câncer genital em mulheres infectadas pelo papilomavírus: número elevado de gestações, uso de contraceptivos orais, tabagismo, infecção pelo HIV e outras doenças sexualmente transmitidas (como herpes e clamídia). A progressão tumoral a partir da infecção de células normais por HPV parece estar condicionada a fatores relacionados ao vírus (tipo do vírus) e fatores relacionados ao hospedeiro (tabagismo, uso de contraceptivos orais, multiparidade, imunossupressão)(1). Leitura Complementar: Em todo o mundo, o câncer do colo do útero é o quarto tipo de câncer mais frequente em mulheres, com cerca de 570 mil novos casos em 2018, representando 7,5% de todas as mortes femininas por essa doença. Estimam-se mais de 311 mil mortes por esse tipo de câncer a cada ano, mais de 85% delas ocorrem em regiões menos desenvolvidas do mundo (1,3). Nos países desenvolvidos, existem programas que permitem que as mulheres sejam examinadas, tornando a maioria das lesões pré-cancerosas identificáveis em estágios nos quais podem ser facilmente tratadas. O tratamento precoce previne até 80% do câncer do colo do útero nesses países (1,3). Nos países em desenvolvimento, o acesso limitado a uma triagem eficaz significa que a doença muitas vezes não é identificada até que esteja mais avançada e os sintomas se desenvolvam. Além disso, as perspectivas de tratamento de tal doença em estágio avançado (cirurgia, radioterapia e quimioterapia) podem ser precárias, resultando em uma taxa mais alta de mortes por câncer do colo do útero nesses países (1,3). A alta taxa de mortalidade por câncer do colo do útero em todo o mundo (6.9 por 100.000 em 2018) poderia ser reduzida por meio de programas eficazes de triagem e tratamento (1,3). Para a detecção precoce de lesões percussoras de câncer, o diagnóstico é feito a partir da realização do exame preventivo (Papanicolau). Postos de coleta de exames preventivos ginecológicos do Sistema Único de Saúde (SUS) estão disponíveis em todos os Estados da Federação e os exames são gratuitos. Procure a Secretaria de Saúde de seu município para obter informações sobre o posto de coleta mais próximo de sua residência (1).