Qual anestésico local indicado para pacientes gestantes, hipertensos e diabéticos?

A anestesia local mais indicada para gestantes é a lidocaína 2% com o vasoconstritor epinefrina, na concentração 1:100.000(1,2). Deve-se utilizar no máximo dois tubetes (3,6 ml) por sessão, usando sempre seringa anestésica com refluxo, de forma a evitar injeções intravasculares(2,3).

Para pacientes hipertensos controlados, a lidocaína 2% com o vasoconstritor adrenalina, na concentração 1:100.00, é o anestésico mais indicado, não devendo exceder mais do que dois tubetes em cada atendimento. Já para pacientes diabéticos controlados, a prilocaína com o vasoconstritor felipressina é o anestésico mais indicado(3). A prilocaína e articaína não devem ser usadas em gestantes por poderem levar à metamoglobinemia, tanto na mãe quanto no feto(1,2). A prilocaína apresenta a felipressina como vasoconstritor, a qual pode estimular contrações uterinas, desta maneira, é contraindicada(2,4). A mepivacaína deve ser evitada na gestação e lactação, devido a sua má metabolização pelo feto ou bebê(2). Deve-se atentar que o segundo trimestre de gestação é o mais indicado para o tratamento dentário, evitando-se procedimentos no primeiro e terceiro trimestre. Atendimentos prolongados, desconfortáveis e invasivos, devem ser realizados, se possível, após o nascimento do bebê(2). Quando o paciente se encontra em tratamento ou possui sua hipertensão/diabetes controladas, o uso de anestésicos locais não é contraindicado(4).Os pacientes hipertensos podem utilizar prilocaína 3% com felipressina 0,03 UI/ml, os quais não produzem alterações no sistema cardiovascular. Para pacientes descompensados recomenda-se utilizar anestésicos sem vasoconstritor, como a mepivacaína 3%(3). Em pacientes diabéticos a adrenalina é contraindicada, pois este hormônio provoca a quebra de glicogênio em glicose podendo resultar em hiperglicemia(3). Entretanto, um estudo randomizado demonstrou que o uso de lidocaína 2% com epinefrina (1:100.000) com volume máximo de 5,4 ml (3 tubetes), para cirurgias orais realizadas em pacientes diabéticos e com doença coronária, é seguro(5). Atributos da APS O acompanhamento integral de pacientes com necessidades especiais deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar para, assim, promover um bom tratamento e monitoramento desses pacientes.