Qual conduta deve ser tomada em casos de alveolite pós-operatória na APS?

Em casos de alveolite, a curetagem do alvéolo não é indicada, o cirurgião-dentista deve remover qualquer sutura que esteja atrapalhando a cicatrização correta do alvéolo, irrigá-lo com solução salina à temperatura ambiente ou com solução anestésica para alívio da dor, acompanhada de aspiração cuidadosa do líquido. Pode-se também utilizar pastas com princípios ativos antimicrobianos e analgésicos para diminuir o desconforto do paciente e evitar que restos de alimentos se acumulem no alvéolo. O paciente dever realizar a irrigação com solução salina diariamente utilizando seringas descartáveis (figura 1) em casa e deve ser acompanhado enquanto houver dor. (1)

alveolite Figura 1: Irrigação do alvéolo dentário com irrigação salina, frente a quadro de alveolite.

Complementação A alveolite é uma complicação pós-operatória que ocorre com maior frequência na extração dentária, principalmente em extrações de terceiros molares impactados, caracterizada por apresentar dor de amplitude leve à intensa que ocorre devido à perda prematura do coágulo mal formado no interior do alvéolo dentário deixando as terminações nervosas do alvéolo expostas (1,2,3). Clinicamente, os pacientes apresentam sintomatologia entre o primeiro e terceiro dia de pós-operatório e, em alguns casos, a dor pode se irradiar para o ouvido na região temporal (1,3,4). A não formação do coágulo no interior do alvéolo proporciona a exposição das paredes ósseas à cavidade oral e o processo de cicatrização e junção dos rebordos gengivais não ocorrem normalmente nesses pacientes, que também podem apresentar inflamação gengival e halitose (2,3). A etiologia do desenvolvimento da alveolite não é clara, porém fatores como dificuldades e traumas durante a exodontia, habilidade do cirurgião, excesso de vasoconstritor durante a cirurgia, fatores circulatórios como redução de coagulação, nutricionais (vitaminas e proteínas), o sexo feminino e uso de contraceptivos orais, limpeza deficiente da área operada, idade avançada, imunossupressão e o tabagismo podem predispor o seu desenvolvimento (1,2,3,4). Pacientes portadores de diabetes mellitus podem apresentar com maior frequência casos de alveolite por apresentarem dificuldades de cicatrização (4) devido à vascularização deficiente (5,6) e metabolismo anormal do colágeno6. A conduta mais aconselhável é a prevenção (1,2), que deve ser realizada  com a irrigação com solução salina durante o procedimento cirúrgico, uso de antissépticos como o gluconato de clorexidina 0,12% e profilaxia antibiótica, para reduzir o número de bactérias presentes na cavidade bucal. Os antifibrinolíticos podem ser utilizados para evitar a desintegração do coágulo (1). Atributos da APS Ao paciente deve ser garantido o acesso ao cirurgião-dentista para avaliação e cuidado.  Pacientes com doenças metabólicas, como a diabetes, devem ser acompanhados, pois necessitam de cuidados multidisciplinares em todos os níveis de atenção à saúde.