Qual é o tratamento atual da fimose no lactente?

O menino, ao nascer, em geral tem o prepúcio aderido à glande. Aos 6 meses espera-se que 20% deles possam ter seu prepúcio totalmente retraído, 50% aos 12 meses e 90% aos 3 anos. Até os 3 anos deve-se indicar a correta higiene local para evitar infecções locais. A partir dos 3 anos de idade pode-se indicar o uso de corticóides tópicos 2X ao dia por 30 dias acompanhado de estiramento gentil do prepúcio, tratamento que se mostrou benéfico em até 90% dos casos.
Não foi estudado o uso da hialuronidase em associação ao corticóide, estando indicado somente o uso do corticóide.
A cirurgia para correção da fimose raramente está indicada por motivos médicos, já que não traz nenhum benefício para a maioria dos pacientes e apresenta algum tipo de complicação em 15 a 50% dos casos. A cirurgia só está indicada quando houver fimose com balanopostites de repetição ou na adolescência se a fimose dificultar a atividade sexual. A técnica escolhida não deve ser a circuncisão ou postectomia (excisão do prepúcio), mas sim a postoplastia que preserva o prepúcio. Se a família optar pela circuncisão por motivos culturais ou religiosos, deve ser realizada preferencialmente no período neonatal quando é possível realizar o procedimento com anestesia local.

 

 

Bibliografia Selecionada

  1. Freitas AAG. Problemas mais Comuns no Recém-Nascido e no Lactente. In: Duncan et al. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.
  2. Yang SS, Tsai YC, Wu CC, Liu SP, Wang CC. Highly potent and moderately potent topical steroids are effective in treating phimosis: a prospective randomized study. J Urol. 2005 Apr;173(4):1361-3. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022534705611020
  3. Golubovic Z, Milanovic D, Vukadinovic V, Rakic I, Perovic S. The conservative treatment of phimosis in boys. Br J Urol. 1996 Nov;78(5):786-8. Disponível em: http://www.cirp.org/library/treatment/phimosis/milanovic/
  4. Lund L, Wai KH, Mui LM, Yeung CK. An 18-month follow-up study after randomized treatment of phimosis in boys with topical steroid versus placebo. Scand J Urol Nephrol. 2005;39(1):78-81. Disponível em: http://informahealthcare.com/doi/pdf/10.1080/00365590410002519
  5. Zampieri N, Corroppolo M, Camoglio FS, Giacomello L, Ottolenghi A. Phimosis: stretching methods with or without application of topical steroids? J Pediatr. 2005 Nov;147(5):705-6. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022347605006840