Qual o melhor regime de tratamento com insulina para crianças com Diabetes Mellitus tipo 1: intensivo ou convencional?

A partir da análise de estudos realizados em adultos1, extrapola-se que os regimes intensivos de insulinoterapia sejam as melhores opções para o tratamento de crianças com Diabetes mellitus tipo 1 (2).Em comparação aos esquemas convencionais, parecem reduzir a extensão das complicações macrovasculares precoces (menor número de eventos), embora não tenham sido encontrado efeitos sobre o número de afetados por doenças macrovasculares ou sobre a mortalidade (3). (Grau D)
Os regimes intensivos incluem a utilização de uma forma de insulina (NPH ou Glargina) com o objetivo de manter um nível basal de hormônio que buscará suprimir a lipólise e a produção de glicose hepática, com adição de “bolos” de insulina de ação rápida (Regular) ou ultra-rápida (Lispro, Insulina aspart) antes das refeições que visem minimizar a elevação da glicemia pós-prandial. Estes “bolos” são ajustados à quantidade de carboidrato em cada refeição e aos níveis da glicemia no momento.
Os regimes convencionais incluem a administração de insulina de ação intermediária (NPH) pelo menos duas vezes ao dia (no café da manhã e na janta/noite) associados ao uso de insulina de ação rápida ou ultra-rápida em esquemas fixos duas a três vezes ao dia. Neste caso, o paciente e sua família devem ajustar seu estilo de vida, de modo que exercícios físicos vigorosos e alimentação sejam bem controlados e realizados em horários fixos.
Cabe ressaltar que não há um tipo de insulina melhor, mas sim diferentes esquemas de insulinoterapia. Embora o regime de controle intensivo da glicemia pareça apresentar algumas vantagens, só deve ser recomendado para pacientes cujas famílias tenham excelente entendimento de como deve se dar o tratamento, que sigam todas as recomendações à risca e que possam arcar com os custos do tratamento.

SOF Relacionadas:
  1. Quando insulinizar o paciente com diabetes mellitus tipo 2?
  2. Quando iniciar insulina para um paciente com Diabetes tipo 2?
  3. Como insulinizar o paciente com DM2? Com quais doses começar?
  4. Quais opções de insulinização do paciente com diabetes mellitus tipo 2?
  5. Pacientes diabéticos em uso de insulina podem receber apenas uma aplicação diária? Podem ser usados hipoglicemiantes orais em associação à insulina para pacientes com DM tipo2?
  6. Qual medicação usar em pacientes diabéticos tipo 2, usando metformina + glimepirida em dose máxima, sem controle adequado da glicemia? Deve ser iniciada a insulinoterapia?
  7. Quando iniciamos a insulinoterapia, é melhor uma dose noturna de NPH, pois há melhora do controle glicêmico por inibir a gliconeogênese hepática?

Bibliografia Selecionada

  1. Levitsky LL, Misra M. Management of type 1 diabetes mellitus in children and adolescents [Internet]. Waltham, MA: UpToDate; 2009 [cited 2009 Dec 16]. Disponível em: http://www.uptodate.com/patients/content/topic.do?topicKey=~4U/AUsPQ1RJQRYr
  2. Lawson ML, Gerstein HC, Tsui E, Zinman B. Effect of intensive therapy on early macrovascular disease in young individuals with type 1 diabetes. A systematic review and meta-analysis. Diabetes Care. 1999 Mar;22 Suppl 2:B35-9.
  3. Vardi Moshe, Jacobson Eyal, Nini Asaph, Bitterman Haim. Intermediate acting versus long acting insulin for type 1 diabetes mellitus. Cochrane Database of Systematic Reviews. In: The Cochrane Library, Issue 11, Art. No. CD006297. Disponível em: <http://cochrane.bvsalud.org/doc.php?db=reviews&id=CD006297> Acesso em 27/janeiro/2015