Qual o método mais eficaz de desbridamento de escara necrótica em paciente acamado: papaína ou desbridamento cirúrgico?

As escaras, ou úlceras de pressão, são o resultado de alterações patológicas na oferta de sangue aos tecidos da derme. A causa principal é a pressão exercida em tecidos suscetíveis. Apesar de serem frequentemente atribuídas à falta de cuidados em domicílios ou asilos, a incidência é maior em hospitais. A presença de debris necróticos na escara aumenta a possibilidade de infecção bacteriana e retarda a cicatrização da ferida, o que torna necessário o desbridamento. O método preferencial de desbridamento permanece controverso.
Em busca na literatura, não foram encontrados ensaios clínicos comparando o uso de papaína com o desbridamento cirúrgico no tratamento de úlceras necróticas. O desbridamento cirúrgico realiza a remoção mais rápida dos debris necróticos e está indicado na presença de infecção. Entretanto, pode danificar o tecido sadio adjacente ou falhar em limpar completamente a ferida.
A papaína é um método enzimático de desbridamento que pode levar dias a semanas para apresentar resultados. Um ensaio clínico com 21 pacientes com escaras demonstrou uma maior redução de tecido necrótico com o uso de uma combinação de papaína e ureia (95,4% de redução) em comparação ao uso de colagenase (35,8%) por 4 semanas, mas sem alterar a frequência de resolução do ferimento.

 

Bibliografia Selecionada

  1. Thomas DR. Prevention and treatment of pressure ulcers: what works? what doesn’t? Cleve Clin J Med. 2001 Aug;68(8):704-7, 710-14, 717-22. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11510528 Acesso em: 15 outubro 2009.