Qual o procedimento para paciente com hanseníase que deixou de realizar a dose supervisionada em determinado mês, seguindo o tratamento apenas com dose auto administrada?

A cartela que não foi oferecida a dose supervisionada corretamente deve ser desprezada, indiferente do número de doses auto administradas. Uma nova cartela deve ser iniciada uma, o mais breve possível, com dose supervisionada na unidade de saúde ou no domicílio.
O equívoco descrito é considerado tratamento irregular. Em casos assim, o tratamento deve ser retomado do ponto até onde estava correto, respeitando os critérios de tratamento completo (ver complementação da resposta).
Lembramos ainda que, se o paciente é paucibacilar e permaneceu por um período em monoterapia, e isto aumenta o risco de resistência e falha.

Complementação resposta O tratamento da hanseníase é uma dose supervisionada mensal, de rifampicina e dapsona para paucibacilares por 6 meses (6 doses supervisionadas) e de rifampicina, dapsona e clofazimina por 12 meses para os multibacilares (12 doses supervisionadas). Os pacientes devem ser agendados de rotina a cada 28 dias para receberem, além das orientações e avaliações, a administração da dose supervisionada e nova cartela com os medicamentos para doses auto-administradas no domicilio. Acompanhamento No ato do comparecimento à unidade de saúde para receber a medicação específica preconizada, supervisionada, o paciente deve ser submetido à revisão sistemática por médico e ou enfermeiro responsáveis pelo monitoramento clínico e terapêutico, objetivando identificação de estados reacionais, efeitos colaterais ou adversos aos medicamentos em uso e surgimento de dano neural. Faltosos Quando o paciente falta a consulta de acompanhamento - dia no qual deve receber a dose supervisionada das drogas - deve ser desencadeada Visita Domiciliar (VD) para o mais breve possível e reagendamento da consulta ou se for o caso consulta e dose supervisionada no domicilio e só assim dar continuidade para não fazer tratamento irregular. Tratamento completo Os casos paucibacilares terão concluído o tratamento com 06 (seis) doses supervisionadas (seis cartelas PQT/OMS – PB), em até 09 (nove) meses. Ao final da 6ª cartela, os pacientes deverão retornar para exame dermatoneurológico, avaliação do grau de incapacidade e alta por cura, quando serão retirados do registro de casos em curso de tratamento. Os casos multibacilares terão concluído o tratamento com 12 (doze) doses supervisionadas (12 cartelas PQT/OMS – MB), em até 18 (dezoito) meses. Ao final da 12ª cartela, os pacientes deverão retornar para exame dermatoneurológico, avaliação do grau de incapacidade e alta por cura, quando serão retirados do registro de casos em curso de tratamento. Atributos APS
  • É de extrema importância desenvolver ações educativas e de mobilização envolvendo a comunidade e equipamentos sociais (escolas, conselhos de saúde, associações de moradores), ressaltando a importância do auto-exame, o controle da hanseníase e o combate ao estigma (orientação comunitária)
  • Mesmo quando os pacientes são encaminhados para outros níveis de saúde para acompanhamento da hanseníase, é fundamental que a equipe continue acompanhando o paciente e seus familiares, orientando seu tratamento e auxiliando em suas necessidades (coordenação do cuidado).
SOF relacionadas:
  1. Qual tratamento deve ser adotado para crianças diagnosticadas com hanseníase na forma multibacilar?
  2. Em pacientes adultos com sequelas de hanseníase que apresentam escaras de decúbito o tratamento para estas escaras é o convencional?