Qual seria a estatina mais indicada e compatível com os recursos do setor público (SUS), a ser empregada em pacientes com glicemia aumentada?

O tratamento da dislipidemia em pessoas com diabetes mellitus (DM), tanto como de outras pessoas, começa com a avaliação e identificação das causas secundárias que podem contribuir para a alteração do perfil lipídico. Modificação do estilo de vida, incluindo aumento da prática de atividade física e mudanças de hábitos alimentares, é o primeiro passo do tratamento.
Muitas pessoas com DM possuem sobrepeso ou estão obesas e terão benefício da restrição calórica. Apesar de todas estas mudanças, muitos pacientes continuam com alteração no perfil lipídico e necessitarão de tratamento farmacológico.
Muitas classes de agentes farmacológicos podem ser utilizadas para tratar dislipidemias. No entanto, existem mais estudos que mostram a segurança e a efetividade do uso das estatinas.
As estatinas induzem a redução do colesterol para valores que diminuem o risco cardiovascular, sendo em prevenção primária ou secundária.
A abundância de experiência clínica em tratamentos com estatinas levam estes medicamentos a serem os principais em tratamento de pacientes diabéticos. Algumas pesquisas também utilizam os fibratos e o ácido nicotínico como tratamento da prevenção de eventos relacionados a doenças cardiovasculares neste pacientes.
Dentre as estatinas, não existe contraindicação para nenhum tipo. Todas são apropriadas para tratamento de dislipidemia nos pacientes diabéticos. Como colocado na questão anterior, a relação custo-benefício dependerá muito do gestor e das negociações de compra e venda.
Se no seu município existe sinvastatina na lista de medicamentos básicos fornecidos, esta pode tranquilamente ser prescrita.
Existe um estudo publicado na Cochrane, realizado no Canadá, onde se compara o custo-efetividade de dois medicamentos para reduzir os níveis de colesterol (principalmente LDL-C): a atorvastatina (10 a 80 mg/dia) e a sinvastatina (10 a 80 mg/dia).
Os autores encontraram um desfecho melhor nos pacientes tratados com atorvastatina, além dos pacientes tratados com sinvastatina terem apresentado um custo extra em relação aos outros.
Já o estudo STELLAR, realizado nos EUA, analisou o custo-efetividade da rosuvastatina no tratamento da dislipidemia na prevenção secundária, quando comparado com atorvastatina, pravastatina e sinvastatina. Os autores concluem que a rosuvastatina mostrou superioridade no estudo STELLAR, com vantagens econômicas quando comparadas com as outras estatinas (atorvastatina, pravastatina e sinvastatina).
No entanto, este estudo sofreu algumas adaptações para análise dos custos, que podem ter causado vieses nos resultados.
Pode-se perceber, portanto, que existem divergências na literatura. É necessário que mais estudos sejam realizados.

SOF relacionadas:

  1. Que opções de tratamento da hipercolesterolemia quando contraindicado o uso de sinvastatina
  2. Quais as evidências dos benefícios versus efeitos adversos para o uso de sinvastatina para dislipidemia em idosos?
  3. Como manejar a interação entre anlodipino e sinvastatina?
  4. A sinvastatina é a estatina mais adequada a ser empregada no SUS?
  5. O uso de Sinvastatina pode apresentar eventos hemorrágicos como um de seus efeitos adversos?
  6. Há diferenças entre doses (alta vs baixa) de estatinas para prevenção primária de doenças cardiovasculares? E para prevenção secundária? Quais as doses estudadas e recomendadas?
  7. Quais riscos ao paciente da associação de Clopidogrel 75 mg com Atorvastatina? Em qual concentração de Atorvastatina pode ocorrer interação medicamentosa?
  8. Pacientes com níveis elevados de colesterol e triglicerídeos devem ser tratados com fibrato associado a estatinas ou usar apenas o fibrato? Depois de quanto tempo de tratamento repetir os exames para acompanhamento?

Bibliografia Selecionada

  1. Lachaine J, Merikle E, Tarride JE, Montpetit M, Rinfret S. A model for assessing the cost-effectiveness of atorvastatin and simvastatin in achieving Canadian low-density lipoprotein cholesterol targets. Clin Ther. 2007;29(3):519-528.
  2. Miller PS, Smith DG, Jones P. Cost effectiveness of rosuvastatin in treating patients to low-density lipoprotein cholesterol goals compared with atorvastatin, pravastatin, and simvastatin (a US Analysis of the STELLAR Trial). Am J Cardiol 2005;95(11) :1314-1319.
  3. Huse DM, Russell MW, Miller JD, Kraemer DF, D’Agostino RB, Ellison RC, Hartz SC. Cost-effectiveness of statins. Am J Cardiol 1998;82(11):1357-1363.
  4. Santos RD. III Diretrizes brasileiras sobre dislipidemias e diretriz de prevenção da aterosclerose do departamento de aterosclerose da sociedade brasileira de cardiologia. Arq Bras Cardiol [Internet]. 2001 [citado 2008 Nov 6];77(suppl 3):1-48. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/v77s3/a01v77s3.pdf
  5. Santos RD, et al. Prevenção da Aterosclerose – Dislipidemias. In: Associação Médica Brasileira; Conselho Federal de Medicina; Sociedade Brasileira de Cardiologia. Projeto Diretrizes [Internet]. São Paulo: A associação; 2001 [citado 2010 Jan 13]. Disponível em: http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/040.pdf
  6. Pignone M. Primary prevention: dyslipidaemia. In: Godlee F. Clinical Evidence; 2007.
  7. Freeman MW. Approach to the Patient with Hypercholesterolemia. In: Goroll AH. Mulley AG. Primary Care Medicine. 5th ed. Lippincott Williams & Wilkins; 2004. p. 190 – 205