Qual tratamento deve ser adotado para crianças diagnosticadas com hanseníase na forma multibacilar?

A hanseníase pode atingir pessoas de todas as idades, de ambos os sexos, no entanto, raramente ocorre em crianças. Observa-se que crianças menores de quinze anos adoecem mais em lugares onde há uma maior endemicidade da doença. Em crianças, o diagnóstico da hanseníase exige exame criterioso, diante da dificuldade de aplicação e interpretação dos testes de sensibilidade. Para crianças com Hanseníase, a dose dos medicamentos do esquema padrão é ajustada de acordo com a idade e o peso.
O Esquema terapêutico para crianças multibacilares é composto de: Rifampicina: dose mensal de 450mg (1 cápsula de 150mg e 1 cápsula de 300 mg) com administração supervisionada, Dapsona: dose mensal de 50 mg supervisionada e uma dose diária de 50 mg auto-administrada e Clofazimina: dose mensal de 150 mg (3 cápsulas de 50 mg) com administração supervisionada e uma dose de 50 mg auto-administrada em dias alternados. Duração de 12 doses até 18 meses.
Em crianças ou adulto com peso inferior a 30 kg, ajustar a dose de acordo com o peso: Dose mensal: Rifampicina: 10 a 20 mg/kg, Dapsona: 1,5 mg/kg e Clofazimina: 5mg/kg. Dose diária: Dapsona: 1,5 mg/kg e Clofazimina: 1mg/kg.
Em crianças Multibacilares menores de 8 anos de idade: quando houver necessidade de retirada da Dapsona, mantém-se o esquema terapêutico apenas com Rifampicina e Clofazimina. Em crianças menores de 8 anos de idade, tanto MB quanto PB, quando houver necessidade de retirada da Rifampicina, este medicamento deverá ser substituído pelo Ofloxacino na dose de 10 mg/kg/dia, e não pela Minociclina que implica riscos para esta faixa etária.

SOF relacionadas:

  1. Qual o procedimento para paciente com hanseníase que deixou de realizar a dose supervisionada em determinado mês, seguindo o tratamento apenas com dose auto administrada?
  2. Em pacientes adultos com sequelas de hanseníase que apresentam escaras de decúbito o tratamento para estas escaras é o convencional?