Quando é necessário internar pacientes que estejam com síndrome mão-pé-boca?

A Síndrome Mão-Pé-Boca normalmente não necessita de internação, pois é uma doença leve e autolimitada. Porém, caso as feridas na boca dificultem a deglutição de líquidos, pode ser necessária a realização de hidratação parenteral. Uma indicação de internação é a rara evolução com complicações como: meningite, encefalite e paralisia semelhante à da poliomielite.(1, 2, 3)

A doença mão-pé-boca é uma das síndromes eruptivas mais distintivas, frequentemente causada pelos coxsackievírusA16, mas também pode ser causada pelo enterovírus 71; os coxsackievírus A 5, 7, 9 e 10; e os coxsackievírus B 2 e 5. Em geral é uma enfermidade leve, afebril ou com febre baixa. A orofaringe está inflamada e contém vesículas dispersas na língua, mucosa bucal, porção posterior da faringe, palato, gengiva e/ou lábios. Tais lesões podem se ulcerar, deixando lesões superficiais de 4 a 8 mm com eritema circunvizinho. As lesões maculopapulosas, vesiculosas e/ou pustulosas também podem ocorrer nas mãos e nos dedos, pés e nádegas e na virilha. As mãos costumam ser mais envolvidas que os pés. As lesões das mãos e dos pés geralmente são dolorosas e vesiculares e de tamanho variado, com 3 a 7" mm; em geral são mais comuns nas superfícies dorsais, mas frequentemente ocorrem também nas palmas das mãos e nas plantas dos pés. As vesículas habitualmente regridem em cerca de 1 semana. As lesões nas nádegas não costumam progredir para vesiculação. Erupções vesiculares disseminadas podem complicar um eczema preexistente. A doença mão-pé-boca causada pelo enterovírus 71 freqüentemente é mais grave do que a causada pelo coxsackievírus A16, com doença neurológica associada, incluindo, nos surtos, encefalomielite de tronco cerebral, edema pulmonar neurogênico, hemorragia pulmonar, choque e morte rápida.(1) A maioria das infecções graves causadas pelo Enterovírus 71 ocorre em crianças pequenas. Surtos na China em 2010 e 2011, acometeram mais de 1,5 milhão de pessoas, com 27 mil complicações neurológicas e um total de 905 mortes.(4)