Quantas vezes reutilizar uma seringa para aplicação de insulina?

De acordo com a orientação dos fabricantes, as seringas/agulhas descartáveis para a aplicação de insulina não devem ser reutilizadas. Na prática, entretanto, a bibliografia internacional e a Portaria nº 2.583 do Ministério da Saúde, sobre o assunto considera como segura a reutilização limitada do conjunto seringa/agulha (acopladas), desde que respeitadas as orientações sobre armazenamento em geladeira ou em lugar adequado, com a devida proteção da agulha por sua capa protetora plástica. A higiene das mãos e dos locais de aplicação é fundamental para proporcionar a necessária segurança quanto à reutilização do conjunto seringa/agulha. Com base nessas considerações, consideramos adequada sua reutilização por até 08 aplicações, sempre pela mesma pessoa.
Optando-se pela reutilização, a seringa deve ser retampada e guardada, em temperatura ambiente ou sob refrigeração (na gaveta ou porta da geladeira). Para a reutilização, devem ainda ser considerados os seguintes aspectos:

  • ausência de ferida aberta nas mãos e de infecções de pele no local de aplicação;
  • o diabético deve ter destreza manual, ausência de tremores e boa acuidade visual, sendo capaz de reencapar a agulha com segurança.

A limpeza da agulha não deve ser feita com álcool, porque é capaz de remover o silicone que a reveste, tornando a aplicação mais dolorosa. As seringas reutilizadas devem ser descartadas quando a agulha se torna romba, curva ou entra em contato com alguma superfície diferente da pele e logo que a aplicação se torne muito mais dolorosa.
O paciente com diabetes mellitus deve ser acompanhado de forma periódica pela equipe multiprofissional para prevenção de suas complicações.
A organização do cuidado integral deve estar centrada na pessoa que vive com diabetes, em sua família e incluir a comunidade; deve ser planejada levando em conta os diversos aspectos do cuidado, as circunstâncias e os recursos locais.

SOF Relacionadas:
  1. Quais os cuidados gerais para paciente com DM2 em insulinoterapia? Como monitorar?
  2. Quais as orientações de enfermagem para prevenir hipoglicemia em pacientes diabéticos?
  3. Quais os cuidados gerais para paciente com DM2 em insulinoterapia? Como monitorar?
  4. O que fazer quando o paciente com DM2 em uso de insulina basal, mantem o controle glicêmico insatisfatório?
  5. Como insulinizar o paciente com DM2? Com quais doses começar?
  6. Quais opções de insulinização do paciente com diabetes mellitus tipo 2?
  7. Quando insulinizar o paciente com diabetes mellitus tipo 2?
  8. Qual a orientação para a aplicação da mistura de insulina NPH com insulina regular?

Bibliografia Selecionada

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus [Internet]. Caderno de Atenção Básica -Nº16. Brasília: Ministério da Saúde; 2006 [citado 2013 Nov 10]. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em:  http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad16.pdf Acesso em: 8 ago 2013.
  2. Brasil. Presidência da República. Lei n° 11.347 de 27 de setembro de 2006, Dispõe sobre a distribuição gratuita de medicamentos e materiais necessários à sua aplicação e à monitoração da glicemia capilar aos portadores de diabetes inscritos em programas de educação para diabéticos [Internet]. Brasília; 2007 [citado 2013 Nov 10]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11347.htm Acesso em: 8 ago 2013.