Se o Teste do Pezinho for coletado com atraso (após o 7º dia) o diagnóstico será o mesmo ou sofrerá alterações?

O momento para a coleta, preferencialmente, não deve ser inferior a 48 horas de alimentação protéica (amamentação) e nunca superior a 30 dias, sendo o ideal entre o 3º e o 7º dia de vida. Crianças com menos de 48 horas de vida ainda não ingeriram proteína suficiente para serem detectadas de forma segura na triagem da Fenilcetonúria. Nesses casos, poderíamos encontrar falsos resultados normais. O resultado do teste do pezinho permanece inalterado após o 7º dia de vida, contudo – mesmo após o período ideal – o teste deve ser coletado de forma mais precoce possível, na tentativa de prevenir sequelas graves e iniciar imediatamente o tratamento, se for o caso.
É importante ressaltar que o “Teste do Pezinho” é apenas um teste de triagem. Um resultado alterado não implica em diagnóstico definitivo de qualquer uma das doenças, necessitando, de exames confirmatórios.

 

SOF relacionadas:
  1. O que é o “teste do pezinho”?
  2. O Teste do Pezinho pode ser realizado antes de 72h de vida do bebê?
  3. Qual o resultado mais confiável na questão do exame do pezinho: a coleta realizada no pé do bebê ou a realizada por punção venosa?
  4. Quando deve ser realizado o “teste do pezinho” e que doenças ele é capaz de detectar?
  5. Quando realizar o teste do pezinho? Se realizado fora do prazo, o resultado tem a mesma validade?

Bibliografia Selecionada

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação – Geral de Atenção Especializada. Manual de normas técnicas e rotinas operacionais do programa nacional de triagem neonatal. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/triagem_neonatal.pdf