Ser mãe após 30 anos ou não ter filhos é considerado fator de risco para câncer de mama?

Segundo o Instituto Nacional do Câncer, o uso de contraceptivos orais é considerado fator de risco pela Organização Mundial da Saúde, embora tenham estudos com resultados controversos(2).

Algumas pesquisas relacionam a gravidez tardia como um fator de risco para o desenvolvimento do câncer de mama. Isso tem relação com o maior tempo de exposição ao estímulo estrogênico. Gestação após 30 anos ou nuliparidade aumentam esse tempo de exposição(2), mas ainda existem divergências em relação a isso.

A idade constitui o mais importante fator de risco, aumentando em cerca de 70% a 80% dos tumores diagnosticados a partir dos 50 anos de idade(1,2).

É importante esclarecer que o câncer de mama não tem causa única. Diversos fatores se relacionam ao risco de desenvolver a doença, como idade, menarca precoce (antes de 12 anos), menopausa tardia (após 55 anos), primeira gravidez após os 30 anos, nuliparidade (não ter nenhum filho), exposição à radiação, terapia de reposição hormonal, sobrepeso e obesidade, ingestão regular de álcool, sedentarismo, história familiar de câncer de mama em parente consanguíneo, uso de contraceptivos orais (estrogênio-progesterona) e terapia de reposição hormonal pós-menopausa(estrogênio-progesterona)(1,2).

O câncer de mama, assim como outros tipos de câncer, é resultado de uma proliferação incontrolável de células anormais, que surgem devido a alterações genéticas, sejam elas hereditárias ou adquiridas por exposição a fatores ambientais ou fisiológicos. Essas alterações genéticas podem alterar o crescimento ou a morte celular programada, levando ao surgimento do tumor(1).