Acompanhamento de dez anos: a cirurgia bariátrica causa mais remissões do que o tratamento médico para pacientes com diabetes tipo 2?

Área Temática

Questão Clínica

A cirurgia bariátrica é mais eficaz que a terapia médica no controle a longo prazo do diabetes mellitus tipo 2?

Resposta Baseada em Evidência

Tanto a derivação gástrica em Y de Roux quanto a derivação biliopancreática de Scopinaro se mostraram eficazes em induzir e manter remissão do diabetes mellitus tipo 2: hemoglobina glicada < 6,5% sem necessidade de tratamento medicamentoso. Esse efeito já tinha sido documentado 2 e 5 anos após o procedimento, e agora foi documentado com 10 anos de seguimento.

Alertas

Contexto

Este ensaio controlado randomizado incluiu 60 pessoas com 30 a 60 anos de idade com 35 kg/m² ou mais de índice de massa corpórea, 7,0% ou mais de hemoglobina glicada, e 5 anos ou mais de diagnóstico de diabetes mellitus tipo 2; metade estavam em uso de insulina. Dessas 60 pessoas, 20 foram mantidas em seguimento clínico, 20 foram submetidas a uma cirurgia bariátrica restritiva (derivação gástrica em Y de Roux, por videolaparoscopia), e outras 20 foram submetidas a uma cirurgia bariátrica disabsortiva (derivação biliopancreática de Scopinaro, por cirurgia aberta). Dez anos depois da cirurgia bariátrica, a proporção de pessoas em remissão do diabetes mellitus tipo 2 era de 25% para a derivação gástrica em Y de Roux e 50% para a derivação biliopancreática. No grupo de controle, a única pessoa que estava em remissão era uma que passou por cirurgia bariátrica depois de dois anos de tratamento só medicamentoso. Todas as pessoas que passaram por cirurgia bariátrica estavam em remissão do diabetes com dois anos de seguimento , e a maioria das recidivas aconteceu até cinco anos depois da cirurgia. Dentre os diversos desfechos secundários relatados, as complicações de diabetes parecem ser menos frequentes com qualquer uma das cirurgias do que com o seguimento clínico, enquanto a diarreia crônica parece ser mais frequente entre as pessoas que passaram pela cirurgia disabsortiva. Ambas as cirurgias parecem melhorar a qualidade de vida (questionário SF-36) em todas as dimensões. A cirurgia restritiva resultou em melhor qualidade de vida que a disabsortiva nas dimensões “vitalidade”, “aspectos físicos”, e “saúde mental”.

Comentários sobre a aplicabilidade do estudo para APS no contexto do SUS, sob o ponto de vista clínico, de gestão da saúde e para o público em geral

Essa pesquisa reforça que adultos com obesidade mórbida e diabetes mellitus tipo 2 deveriam ser encaminhados à cirurgia bariátrica assim que a indicação seja constatada. Não apenas o procedimento leva à remissão do diabetes, mas também o efeito é frequentemente sustentado a longo prazo. A cirurgia bariátrica é vista por muitos como  “trocar uma doença por outra”, mas este é mais um estudo sugerindo que ela seja mais segura que o tratamento conservador.

 

Referências bibliográficas

Mingrone G, Panunzi S, De Gaetano A, et al. Metabolic surgery versus conventional medical therapy in patients with type 2 diabetes: 10-year follow-up of an open-label, single-centre, randomised controlled trial. Lancet 2021;397(10271):293-304. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)32649-0/fulltext