Análise do benefício clínico, danos e custo-efetividade do rastreamento de mulheres para aneurisma da aorta abdominal não mostra muita efetividade

Área Temática

Questão Clínica

O rastreio de aneurisma da aorta abdominal em mulheres é eficaz e custo-efetivo na redução da mortalidade (sem grupo controle)?

Resposta Baseada em Evidência

Nesta análise, não foi demonstrada a eficácia para rastrear mulheres para aneurisma da aorta abdominal (AAA). Aproximadamente um a cada três dos AAA detectados no rastreio nunca causarão problemas, resultando em sobrediagnóstico, e 13% delas serão sobretratadas (submetidas a procedimentos desnecessários).

Quanto ao custo-efetividade, apresentou-se como não custo-efetivo para os padrões britânicos, mas parece apresentar baixo custo e adequabilidade para os padrões dos EUA (menos de US $ 40.000 por ano de vida ajustado pela qualidade).

Alertas

Os estudos de economia da saúde específicos para Reino Unido e Estados Unidos não se aplicam à realidade brasileira, tanto para sistemas públicos quanto privados de saúde, merecendo avaliação criteriosa e individualizada.

Contexto

Um terço das mortes no Reino Unido por aneurisma de aorta abdominal rompido (AAA) ocorre em mulheres. Em homens, os programas nacionais de rastreio reduzem as mortes por AAA e são custo-efetivos. Os benefícios, danos e custo-efetividade em oferecer um programa semelhante para as mulheres não haviam sido formalmente avaliados, e esse foi o objetivo deste estudo. Estudos anteriores mostraram uma diminuição da mortalidade relacionada a AAA em mulheres de meados da década de 1990 a 2009 no Reino Unido, e a relação direta entre AAA e tabagismo pode explicar esta redução (Anjum & Powell, 2012).

Sobretratamento e sobrediagnóstico são riscos de quaisquer programas de rastreio, e devem ser analisados em termos de custos, benefícios e riscos. Um efeito negativo na qualidade de vida como resultado do diagnóstico, incluindo sobrediagnóstico, reduziria substancialmente a relação custo-benefício de quaisquer métodos de triagem (DeFrank et al, 2015).

Comentários sobre a aplicabilidade do estudo para APS no contexto do SUS, sob o ponto de vista clínico, de gestão da saúde e para o público em geral

Foi adaptada uma estrutura analítica previamente validada para triagem de homens e utilizados dados de literatura publicada, bancos de dados de hospitais e registros nacionais para reunir informações como a frequência de prevalência de AAA em várias idades, taxas de ruptura por tamanho de AAA, eficácia cirúrgica e definir a modelagem. Utilizou-se a análise de decisão de Markov como estrutura para a realização de uma análise de custo-efetividade do rastreamento de mulheres para AAA.

Considerando-se a mesma estratégia que é usada para homens [65 anos de idade; ponto de corte de 3,0 cm para diagnosticar AAA e ponto de corte de 5,5 cm para indicar cirurgia] obteve-se que, de cada 10.000 mulheres envolvidas, durante um período de 30 anos, o rastreio evitou três mortes adicionais relacionadas ao AAA, enquanto dez mulheres foram superdiagnosticadas com AAA, e uma mulher foi sobretratada para AAA. Para cada quatro mulheres que evitaram uma morte relacionada ao AAA, uma morreu devido a um procedimento eletivo adicional resultante exclusivamente do rastreamento.

No cenário encontrado como de melhor estratégia de equilíbrio entre danos e benefícios para mulheres [70 anos de idade, ponto de corte de 2,5 cm para diagnóstico de AAA e ponto de corte de 5,0 cm para indicar a cirurgia], o rastreamento resultou na redução de seis mortes relacionadas a AAA, 67 mulheres superdiagnosticadas com AAA e cinco mulheres supertratadas por AAA para cada 10 000 mulheres. Neste grupo, a cada sete mulheres que evitaram uma morte relacionada ao AAA, duas morreram devido a um procedimento eletivo adicional resultante do rastreamento em 30 anos.

Os autores estimaram que, ao longo de 30 anos de rastreio, custaria 30.000 libras esterlinas (US$ 38.000) para cada ano de vida ajustado pela qualidade obtido. Seria preciso envolver quase 4.000 mulheres para serem examinadas para evitar uma morte. A alteração dos pontos de corte [70 anos, diagnóstico aos 2,5 cm e cirurgia aos 5 cm] foi mais custo-efetiva e exigiria 1800 rastreios para evitar uma morte, às custas da maior taxa de sobrediagnóstico. Os custos de referência foram do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido.

Referências bibliográficas

Sweeting MJ, Masconi KL, Jones E, et al. Analysis of clinical benefit, harms, and cost-effectiveness of screening women for abdominal aortic aneurysm. Lancet 2018;392(10146):487-495. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(18)31222-4/fulltext

 

Outros estudos:

Pellegrini J; Wainer J. Processos de Decisão de Markov: um tutorial. Revista de Informática Teórica e Aplicada (RITA). Volume XIV, Número 2, 2007. p. 133-179. Disponível em:  https://pdfs.semanticscholar.org/294f/694ae723a787f25043265fb3e660f62c573f.pdf

DeFrank JT Barclay C Sheridan S et al. The psychological harms of screening: the evidence we have versus the evidence we need. J Gen Intern Med. 2015; 30: 242-248. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11606-014-2996-5

Anjum A Powell JT. Is the incidence of abdominal aortic aneurysm declining in the 21st century? Mortality and hospital admissions for England & Wales and Scotland. Eur J Vasc Endovasc Surg. 2012; 43: 161-166. Disponível em: https://www.ejves.com/article/S1078-5884(11)00759-3/fulltext