Antidepressivos e medidas não farmacológicas são pouco estudados em pacientes da Atenção Primária com depressão leve a moderada

Área Temática

Questão Clínica

Qual a efetividade dos antidepressivos em pacientes da atenção primária com depressão subclínica, leve ou moderada?

Resposta Baseada em Evidência

Há poucos estudos com esta população. Os que existem, apesar de favorecerem os antidepressivos em comparação a outras intervenções (redução no escore de Hamilton para depressão de −1.688 (−3.33; −0.05) P = 0.043;  −4.8 (−8.5; −1.0) P ≤ 0.05), avaliaram poucos desfechos, são pouco precisos e de questionável significância.

Alertas

Pessoas com sinais e sintomas depressivos leves a moderados são frequentes no dia a dia dos consultórios de atenção primária. Guidelines diferem nas orientações de manejo, entre a opção farmacológica e outras. Estudos comparando estas duas abordagens são escassos e sua realização precisa ser estimulada.

Contexto

Autores realizaram uma revisão sistemática buscando estudos que comparassem duas formas de manejo: conversas de apoio, terapia de resolução de problemas, educação e, em algumas vezes, intervenções psicológicas de baixa intensidade, comparadas ao tratamento com drogas psicoativas. Foram encontrados apenas 3 estudos, com um total de 181 pacientes adultos, que compararam medidas não farmacológicas e outras abordagens com um inibidor seletivo da receptação da serotonina (ISRS). Os estudos incluídos, em geral de boa qualidade, acompanharam pessoas por 6 a 12 meses, mas nenhum era duplo-cego, dadas suas dificuldades para esta natureza de intervenção).

Comentários sobre a aplicabilidade do estudo para APS no contexto do SUS, sob o ponto de vista clínico, de gestão da saúde e para o público em geral

Não se conhece muito sobre o tratamento de pessoas com depressão leve a moderada no contexto da atenção primária. Esse é um problema comum e merece ser mais estudado.

Referências bibliográficas

Iglesias-Gonzalez M, Aznar-Lou I, Gil-Girbau M, et al. Comparing watchful waiting with antidepressants for the management of subclinical depression symptoms to mild-moderate depression in primary care: a systematic review. Fam Pract 2017;34(6):639-648.  Disponível em: https://academic.oup.com/fampra/article/34/6/639/3869924