Drogas hipnóticas não benzodiazepínicas estão associadas a aumento de fraturas em idosos?

Área Temática

Questão Clínica

As drogas como Zolpidem, Zoplicona, Eszoplicona e zaleplon – hipnóticos não benzodiazepínicos também conhecidos como medicações-Z – resultam em malefícios aos idosos? E estão associadas ao aumento de fraturas em idosos?

Resposta Baseada em Evidência

Entre 14 estudos que relataram os danos das medicações-Z, foi observada uma associação com maior risco de fratura e lesões.

Alertas

Os idosos apresentam um risco elevado de desenvolver efeito adverso as drogas hipnóticas. Uma metanálise com 24 estudos randomizados, com um universo amostral de 2.417 pacientes, avaliou o impacto da farmacoterapia em adultos com mais de 60 anos com insônia. Foi verificada uma melhora na qualidade, no tempo total e na redução da frequência de despertares noturnos; entretanto, esses benefícios apresentaram uma magnitude pequena (Diferença entre média dos escores de qualidade de 0,11) quando comparados ao aumento de 2 a 5 vezes de eventos cognitivos (perda de memória, confusão mental e desorientação).

Contexto

Nessa revisão sistemática, foram incluídos 14 estudos observacionais somando mais de 800.000 pacientes. 10 estudos (N> 830.000 pacientes) relataram sobre fraturas, 3 estudos (N> 19.000 pacientes) relataram sobre quedas e 2 estudos (N> 160.000) relataram sobre lesões. Os pacientes que estavam em uso de alguma das medicações-Z foram 60% mais propensos a sofrer uma fratura (IC 95% 1,4-1,9), porém esses dados apresentaram altos níveis de heterogeneidade. Os pacientes que tomavam medicações-Z não apresentaram aumento estatisticamente significativo do risco de quedas, mas esses dados também apresentaram alto grau de heterogeneidade. Por fim, os pacientes que faziam uso de Zolpidem (única droga estudada para diferença de lesões) apresentaram duas vezes mais chances de sofrer lesões do que aqueles que não faziam uso da droga (odds ratio 2,05; 1,95-2,15), sem evidência de heterogeneidade estatística. Os resultados não variaram ao considerar várias análises de subgrupos.

Comentários sobre a aplicabilidade do estudo para APS no contexto do SUS, sob o ponto de vista clínico, de gestão da saúde e para o público em geral

As medicações-Z apresentam um risco aumentado de fraturas nos idosos, não sendo uma boa opção terapêutica nessa faixa etária. Este estudo, apesar de colocar na discussão um efeito de tendência considerável na associação entre estas drogas e um aumento nas quedas, provavelmente trata-se de um spin positivo, não condizente com o resultado real da metanálise.

Referências bibliográficas

  1. Treves N, Perlman A, Kolenberg Geron L, Asaly A, Matok I. Z-drugs and risk for falls and fractures in older adults: a systematic review and meta-analysis. Age Ageing 2018;47(2):201-208. Disponível em: https://academic.oup.com/ageing/article/47/2/201/4564456 (Acessado em 6 de novembro de 2019)
  2. Post TW, ed. UpToDate. Waltham, MA: UpToDate Inc. https://www.uptodate.com (Acessado em 24 de fevereiro de 2019)