O teste imunohistoquímico para sangue oculto fecal tem desempenho similar à colonoscopia no rastreamento de câncer colorretal e adenoma avançado em 10 anos

Área Temática

Questão Clínica

Qual o desempenho a longo prazo de um programa de rastreamento para câncer colorretal (CCR) baseado no teste imunohistoquímico fecal (TIF) a cada dois anos durante dez anos?

Resposta Baseada em Evidência

Ao longo de um período de 10 anos, as taxas de detecção de câncer colorretal e adenomas avançados usando testes imunohistoquímicos fecais são semelhantes aos observados usando-se colonoscopia. Entretanto, ainda não se sabe se os testes imunohistoquímicos fecais reduzem a morbi-mortalidade associadas ao câncer colorretal tanto quanto a colonoscopia. Se essa efetividade for comprovada no futuro, um programa de rastreamento baseado em testes não invasivos diminuiria consideravelmente o número de colonoscopias, o que reduziria o custo ao sistema de saúde, o desconforto e os riscos causados ao paciente (Nível de evidência 2b).

 

Alertas

Duas estratégias amplamente recomendadas para o rastreamento de câncer colorretal são o teste imunohistoquímico para pesquisa de sangue oculto fecal e a colonoscopia. Embora a colonoscopia seja mais sensível que o teste imunohistoquímico fecal, principalmente na detecção de adenomas avançados, o que importa é o desempenho em um programa de rastreamento de longo prazo, e não a acurácia em um único tempo.

Contexto

Um estudo que incluiu pessoas de 50 a 69 anos do norte da Itália, analisou o desempenho do teste imunohistoquímico fecal a cada 2 anos durante 10 anos (5 testagens) no rastreamento de câncer colorretal. A taxa de detecção de CCR foi maior na primeira rodada de triagem quando as lesões mais prevalentes foram detectadas (3,3/1.000 pessoas), diminuindo nas rodadas subsequentes e estabilizando após a terceira rodada (~1/1.000 pessoas). Entre as rodadas 3 e 6, a taxa de detecção diminuiu ligeiramente de 0,95 para 0,84 por 1.000. Um padrão semelhante foi observado para adenomas avançados, declinando de 15,9 por 1.000 pessoas para aproximadamente 10 por 1.000 pessoas nas realizações subsequentes. Durante o período de 10 anos do estudo, a taxa cumulativa de resultados positivos do TIF foi de 25% para homens e 17,6% para mulheres. A taxa cumulativa para o adenoma avançado foi de 60 por 1.000 pessoas e para o CCR foi de 8,5 por 1.000 pessoas. Essas taxas são semelhantes às observadas em estudos de colonoscopia na Itália e nos Estados Unidos.

Comentários sobre a aplicabilidade do estudo para APS no contexto do SUS, sob o ponto de vista clínico, de gestão da saúde e para o público em geral

Há uma necessidade de uso racional dos recursos em qualquer sistema de saúde. Se impactar em morbimortalidade, o FIT pode vir a ser uma boa opção para rastreamento de CCR, já que a colonoscopia requer um especialista, material e estrutura para a sua realização.

 

Referências bibliográficas

Zorzi M, Hassan C, Capodaglio G, et al. Long-term performance of colorectal cancer screening programmes based on the faecal immunochemical test. Gut 2018;67(12):2124-2130. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29101260/